• ARANEA AVICULARIA = MYGALE LASIODORA  (mygal)

    ARANEA AVICULARIA = MYGALE LASIODORA  (mygal)

    Aran­ha per­ten­cente à família Ther­a­phosi­dae, que habi­ta a Améri­ca Cen­tral. É escu­ra, grande e pelu­da, estando entre as maiores da espé­cie. Ela não tece teias, mas geral­mente con­strói tuneis sob a ter­ra. Seu nome foi atribuí­do à crença de que essa aran­ha come pequenos pás­saros, fato não total­mente com­pro­va­do. Como out­ras espé­cies semel­hantes, é algu­mas vezes erronea­mente chama­da de tarân­tu­la. Prepara-se a tin­tu­ra com o ani­mal inteiro vivo.

    Clíni­ca:

    Cólera. Gonor­reia. Cor­eia.

    Car­ac­terís­ti­cas:

    Os dados patogéni­cos do Mygale con­sis­tem numa pro­va fei­ta por uma jovem e no efeito de uma pic­a­da num homem. Neste últi­mo caso, seguiu-se uma infla­mação que se espal­hou ao lon­go dos lin­fáti­cos, des­col­oração vio­le­ta e depois verde; calafrio segui­do de febre, boca seca e mui­ta sede, tremores, disp­neia, desân­i­mo e medo da morte. O provador desen­volveu tris­teza; boca seca; náuse­as com grande pal­pi­tação, visão tur­va e grande fraque­za ger­al; aumen­to do fluxo de uri­na, quente, escal­dante, com pic­a­das na ure­tra. Este últi­mo sin­toma lev­ou ao uso bem-suce­di­do de Myg.

    Na gonor­reia, cor­eia e sífil­is. O “tremor” obser­va­do no homem sug­ere a sua uti­liza­ção em casos ner­vosos, mas a esfera de Myg. Na cor­eia foi desen­volvi­da a par­tir do lado clíni­co. Nos casos cura­dos com ele, os espas­mos e as con­tracções dos mús­cu­los faci­ais têm sido muito proem­i­nentes; movi­men­tos con­vul­sivos da cabeça para o lado dire­ito; espas­mos de um lado do cor­po, prin­ci­pal­mente o dire­ito. As con­tracções podem ser tão vio­len­tas que impe­dem a mar­cha. Os mem­bros estão qui­etos durante o sono, movi­men­tos agrava­dos pela man­hã. A náusea com pal­pi­tação forte deve ser uma indi­cação. Sin­tomas agrava­dos pela ingestão de ali­men­tos. agrava­dos. Sen­ta­do (per­nas em con­stante movi­men­to).

    Mente:

    Deli­rante, falou sobre os seus negó­cios e esteve inqui­eto toda a noite. — Triste; desan­i­ma­do com expressão ansiosa. — Medo da morte.

    Cabeça:

    Cefaleia frontal; sem bril­ho. — A cabeça é fre­quente­mente vira­da para um lado (dire­ito).

    Olhos:

    Náuse­as com visão tur­va; fraque­za; pal­pi­tações.

    Ouvi­dos:

    Dor agu­da no ouvi­do dire­ito.

    Face:

    Con­tração con­stante dos mús­cu­los do ros­to. — Ros­to cora­do.

    Boca:

    Ranger de dentes à noite. — Lín­gua seca e resse­qui­da; seca e revesti­da de cas­tan­ho.

    Estô­ma­go:

    Aver­são à comi­da; sem apetite para o jan­tar, não comeu nada até à hora do chá, depois ape­nas uma cháve­na de chá e um pequeno pedaço de pão; mel­ho­ra depois de com­er. — Sede exces­si­va. — Náusea com forte pal­pi­tação, visão tur­va.

    Órgãos urinários:

    Uri­na: aumen­ta­da; pic­a­da na ure­tra; ardente, quente, escal­dante.

    Órgáos sex­u­ais mas­culi­nos:

    Gonor­reia pro­lon­ga­da. — Sífil­is.

    Órgaos res­pi­ratórios:

    Res­pi­ração difí­cil. — As palavras saem por saltos quan­do se faz um esforço para falar.

    Coração:

    Pal­pi­tações fortes, acom­pan­hadas de náuse­as, visão tur­va e fraque­za ger­al. — Pul­so 130.

    Costas:

    Dor nas costas que se pro­lon­ga para a frente.

    Mem­bros:

    Tremores e sacu­d­ide­las dos mús­cu­los de um braço e de uma per­na, geral­mente dire­ito — Movi­men­tos con­vul­sivos e incon­troláveis dos braços e das per­nas.

    Mem­bros infe­ri­ores:

    Ver­mel­hidão inten­sa em estrias ao lon­go dos lin­fáti­cos, da bar­ri­ga da per­na até ao cor­po, com grande ansiedade, con­tração dos mem­bros. — Infla­mação local exten­sa, do pé ao joel­ho, deixan­do uma grande man­cha vio­le­ta que mudou em pou­cas horas para verde.

    Sono:

    Inqui­eto toda a noite com son­hos ridícu­los.

    Febre:

    Calafrio forte que dura trin­ta min­u­tos; depois febre com sede exces­si­va e tremores dos mem­bros.


tradutor
error: Content is protected !!