• Badiaga

    Badi­a­ga

    Clin­i­ca:

    Can­cro da mama. Hematomas. Hematomas. Catar­ro. Frieiras. Coryza. Olhos, dores nos olhos. Glân­du­las, afecções de. Feno-espas­mo. Hæm­or­rhoids. Coração, afecções do coração. Indurações. Oftalmia. Pal­pi­tação. Reuma­tismo. Escró­fu­la. Sífil­is. Tíbia, dor em. Tosse con­vul­sa.

    Car­ac­terís­ti­cas:

    Badi­a­ga é o nome rus­so da espon­ja do rio, que é um remé­dio pop­u­lar na Rús­sia. Entre os sin­tomas e indi­cações pecu­liares encon­tram-se: Dor de cabeça com dor na parte de trás dos glo­bos ocu­lares, das 14 às 19 horas; agra­va ao movi­men­to. Dor de cabeça sev­era no vér­tice que mel­ho­ra à noite, retor­nan­do sev­era­mente após o café da man­hã. Dor de cabeça com olhos infla­ma­dos. Dores nos glo­bos ocu­lares que se esten­dem à cabeça. (J. A. Biegler curou um caso com os seguintes sin­tomas: Uma sen­ho­ra sofria há meses de uma dor inten­sa no globo ocu­lar dire­ito, que se esten­dia à tes­ta sobre esse olho e depois à têm­po­ra; agra­va-se sem­pre à tarde). Couro cabe­lu­do dori­do; seco; comichão; esca­mação; formigueiros. A dor é uma das notas-chave do remé­dio; dor ger­al dos tegu­men­tos e mús­cu­los; como se tivesse sido bati­do; muito sen­sív­el. Coriza pro­fusa, sain­do da nar­i­na com um jor­ro. Bochecha e osso malar dolori­dos ao toque. Dores lanci­nantes no estô­ma­go; fíga­do; abaixo das escápu­las; ure­tra; peito. Bubões.

    Can­cros suprim­i­dos por cau­ter­i­za­ção. Sífil­is infan­til. Car­ci­no­ma da mama. Há uma tosse que provo­ca espir­ros, coriza pro­fusa. Oca­sion­al­mente, ataques graves de tosse que ejec­tam muco vis­coso que sai pela boca; provo­ca­dos por cóce­gas na laringe como se uma partícu­la de açú­car se dis­solvesse na gar­gan­ta; mel­ho­ra em quar­to quente. Pal­pi­tação vibratória tré­mu­la agg. Deita­do lado dire­ito. Pal­pi­tação após emoções agradáveis. Dor nos mús­cu­los ante­ri­ores das per­nas; os dedos dos pés dobram-se ao andar como se os exten­sores estivessem par­al­isa­dos. A dor é mais forte do que a dor de cabeça. Dores agu­das na parte de trás do cal­can­har dire­ito, agravadas pela menor pressão. Reuma­tismo cróni­co, agra­va pelo frio, espe­cial­mente ao ar frio agra­va, tem­po tem­pes­tu­oso. Mel­ho­ra em quar­to quente; agra­va à tarde. Agra­va à pressão e toque: há dor ger­al, mes­mo ao toque da roupa. Dor como se tivesse sido espan­ca­do. Dor de cabeça mel­ho­ra  à noite, depois de dormir.

    Mente:

    Após emoções agradáveis, pal­pi­tação. — Mente geral­mente clara, ati­va ape­sar da dor de cabeça.

    Cabeça:

    Dor de cabeça das 14 às 19 horas, com dores ligeiras na parte pos­te­ri­or de ambos os glo­bos ocu­lares e nas têm­po­ras. — Durante o dia mais ou menos dor de cabeça, com dor nos glo­bos ocu­lares (pior esqeur­da); mais das 13h00 às 19h00. — Dor de cabeça frontal durante a man­hã, pior nas têm­po­ras, e esten­den­do-se para a parte pos­te­ri­or do globo ocu­lar esquer­do; agra­va moven­do o olho.

    Dor nas têm­po­ras e glo­bos ocu­lares; dos glo­bos ocu­lares às têm­po­ras. — Uma dor de cabeça muito forte no topo da cabeça; per­manece a mes­ma em todas as posições; mel­hor à noite depois de dormir, e mel­hor de man­hã; voltan­do vio­len­ta­mente depois do pequeno-almoço; duran­do vários dias. — Dor de cabeça com olhos infla­ma­dos. — Dor de cabeça que agra­va ao mover os olhos. — Exces­so de cas­pa, ou aspeto seco e amar­fan­hado do couro cabe­lu­do, com ligeira comichão; cabe­lo seco. — Couro cabe­lu­do dori­do ao toque, com erupção tipo tet­ter na tes­ta.

    Olhos:

    Margem das pálpe­bras azu­la­da-púr­pu­ra e azul sob os olhos. — Infla­mação escro­fu­losa dos olhos, com endurec­i­men­to das glân­du­las Mei­bo­mi­anas. — Dor inten­sa dos glo­bos ocu­lares (agra­va esquer­do) para a têm­po­ra; agra­va viran­do os olhos. — Neu­ral­gia inter­mi­tente do globo ocu­lar dire­ito, esten­den­do-se à têm­po­ra, agg. à tarde. — Dor de cabeça que se estende aos glo­bos ocu­lares. — O globo ocu­lar esquer­do está bas­tante dori­do, mes­mo quan­do o fechamos com força. — Con­tração da pálpe­bra esquer­da.

    Ouvi­dos:

    Pequenos choques no ouvi­do, muito dis­tantes; de tarde.

    Nar­iz:

    Coriza pro­fusa, prin­ci­pal­mente da nar­i­na esquer­da; vem com um jor­ro; pior à tarde e à noite; com espir­ros. — Coriza e tosse. — Comichão na asa nasal esquer­da.

    Face:

    Na tes­ta, erupção pare­ci­da com um car­rapi­cho. — Cor pál­i­da, cin­za ou chum­bo do ros­to. — Rigidez nas artic­u­lações max­i­lares. — Bochecha esquer­da e osso malar dori­dos ao toque.

    Boca:

    Boca e hál­i­to quentes e febris, com sede de grandes quan­ti­dades de água de cada vez. — A boca e a lín­gua pare­cem escal­dadas.

    Gar­gan­ta:

    Lev­an­ta, pela man­hã, mas­sas de muco san­guino­len­to e pega­joso da gar­gan­ta, que está infla­ma­da e dolori­da, agra­va a deg­lu­tição de sóli­dos. — Amíg­dalas ver­mel­has, infla­madas, agra­va ao engolir sóli­dos.

    Estô­ma­go:

    Pressão no epigástrio, náuse­as e ron­cos. — Lanci­nante na boca do estô­ma­go às 8 horas da man­hã; estende-se às vér­te­bras, escápu­la dire­i­ta, por vezes ao lado dire­ito, resul­tan­do em dor pleuríti­ca.

    Abdó­men:

    Dor lanci­nante com um movi­men­to de con­tração na região do fíga­do. Endurec­i­men­to das glân­du­las inguinais. — Bubões sifilíti­cos.

    Fezes e anús:

    Catar­ro dos intesti­nos — Prisão de ven­tre — Hemor­rói­das.

    Órgãos urinários:

    Dor sev­era, agu­da e lanci­nante no orifí­cio da ure­tra ou per­to dele. — Uri­na de cor ele­va­da e aver­mel­ha­da.

    Órgaos sex­u­ais mas­culi­nos:

    Can­cros, após cau­ter­i­za­ção, cica­trizes ele­vadas e des­col­ori­das, ráfa­gas. — Sífil­is dos bebés, con­voluções inteiras de inchaços glan­du­lares duros, inchaços.

    Órgãos sex­u­ais fem­i­ni­nos:

    Car­ci­no­ma mamário. — Metror­ra­gia agra­va-se à noite, com sen­sação de aumen­to da cabeça.

    Órgãos res­pi­ratórios:

    Res­pi­ração quente e febril. — Oca­sion­al­mente, parox­is­mos graves de tosse espas­módi­ca, ejeção de muco vis­coso dos tubos brôn­quicos, que por vezes sai à força pela boca, agra­va à tarde e à noite, provo­ca­da por cóce­gas na laringe, como se o açú­car se dis­solvesse, mel­ho­ra em quar­to quente. — Tosse = espir­ros; coriza abun­dante.

    Dor na parte supe­ri­or do tórax dire­ito — Dor pleuríti­ca, agra­va ao movi­men­to ou à inspi­ração com­ple­ta; com dor. — Dor sev­era, agu­da e lanci­nante na região supra-clav­ic­u­lar dire­i­ta. — Quan­do deita­do sobre o lado dire­ito na cama, e no momen­to de ficar incon­sciente pelo sono, ataques graves de sufo­cação opres­si­va por res­pi­ração sus­pen­sa, cau­san­do um esforço rápi­do para evi­tar a sufo­cação mudan­do de posição. — Pneu­mo­nia tifoide.

    Coração:

    Vibração sev­era, pal­pi­tação tré­mu­la do coração, mes­mo quan­do sen­ta­do ou deita­do, em silên­cio, aquan­do de qual­quer súbi­ta eufo­ria ou out­ra emoção da mente. — Deita­do sobre o lado dire­ito, ouve-se e sente-se o coração a pul­sar do peito até ao pescoço.

    Pescoço e costas:

    Pescoço muito rígi­do — Dor e clau­di­cação, com pon­tadas na nuca, agra­va ao dobrar a cabeça para trás e para a frente. — Inchaço escro­fu­loso das glân­du­las do lado esquer­do da face, gar­gan­ta e pescoço; quase tão grande como um ovo de gal­in­ha; algu­mas duras, out­ras supu­rantes. — Dores lanci­nantes sev­eras e pon­tadas no lado dire­ito pos­te­ri­or, abaixo da escápu­la, muito agravadas por jog­ar os ombros para trás e o peito para frente, ou quais­quer con­torções do cor­po; a dor extorquia, às vezes, um gri­to agu­do ou estri­dente.

    Mem­bros supe­ri­ores:

    As pal­mas das mãos estão quentes e secas.

    Mem­bros infe­ri­ores:

    Vários nódu­los duros e pequenos ao lon­go da tíbia. — Inchaço celu­lar duro das per­nas — Mús­cu­los ante­ri­ores da per­na dire­i­ta dori­dos, como se tivessem sido bati­dos. — À noite, dores lanci­nantes vio­len­tas nos mem­bros. — Diminuição dos inchaços duros de ambas as per­nas. — Dores nos cas­cos dos cav­a­l­os. — Úlceras más nas patas dos cav­a­l­os. — Os dedos dos pés dobram-se ao andar como se os exten­sores estivessem par­al­isa­dos. — Suor dos pés con­tro­la­do.

    Gen­er­al­i­dades:

    Dor gen­er­al­iza­da dos mús­cu­los e dos tegu­men­tos de todo o cor­po; a carne é dori­da ao toque, mes­mo da roupa; dor como se tivesse sido bati­da.

    Pele:

    Pele dori­da ao toque. — Cica­trizes ele­vadas e des­col­oradas. — Rha­gades. — Man­chas cas­tan­has e azuis após con­cussões. — A apli­cação exter­na provo­ca o rea­parec­i­men­to de erupções ver­i­fi­cadas. — Tetas no couro cabe­lu­do e na tes­ta; comichão no couro cabe­lu­do.

    Sono:

    Acor­dar de 3 a 4 da man­hã com son­hos assus­ta­dores e dores fortes de cãi­bras nos ossos metatar­sais de ambos os pés. –Mel­ho­ra depois de dormir (cabeça).


tradutor
error: Content is protected !!