• LAC LUPINUM

    LAC LUPINUM (lac-lup)

     

    Emo­cional­mente eva­si­vo, ele é vis­to como um forasteiro que não se encaixa nos padrões con­ven­cionais, mudan­do con­stan­te­mente de lugar e de rela­ciona­men­tos, sem sen­tir a neces­si­dade de raízes famil­iares. Desconec­ta­do emo­cional­mente, exibe charme e uma tendên­cia para escapar de situ­ações descon­fortáveis, mudan­do fre­quente­mente de assun­to e até rindo de assun­tos sérios.

    No cam­po dos rela­ciona­men­tos, enfrenta con­fli­tos com mul­heres e man­i­fes­ta medo, muitas vezes sendo dom­i­na­do vio­len­ta­mente pela esposa ou atrain­do mul­heres dom­i­nado­ras. Sente-se injustiça­do e atrai críti­cas, enfrentan­do difi­cul­dades em guardar din­heiro. A bus­ca por aven­turas e um sen­so de imor­tal­i­dade são proem­i­nentes, pos­sivel­mente rela­ciona­dos a exper­iên­cias traumáti­cas de vio­lên­cia na infân­cia, incluin­do abu­so sex­u­al.

    No plano men­tal, o paciente exper­i­men­ta uma gama vari­a­da de emoções e pen­sa­men­tos. Há uma con­stante reflexão sobre a mor­tal­i­dade e imor­tal­i­dade, jun­ta­mente com um forte impul­so de pro­te­ger cri­anças em peri­go. Sente-se muitas vezes como um intru­so ou fora de lin­ha, bus­can­do peri­go ou aven­tu­ra como for­ma de escape. Ape­sar da con­fusão inter­na, pode exibir uma orga­ni­za­ção sur­preen­dente. Mostra-se críti­co e ten­ta aju­dar os out­ros, mes­mo que isso pos­sa levá-lo a situ­ações com­pli­cadas.

    O efeito do medica­men­to home­opáti­co Lac Lupinum parece des­per­tar o paciente, em vez de curá-lo. Ele tor­na-se per­cep­ti­vo, vivo e um bom comu­ni­cador, mostran­do uma espon­tanei­dade que não pode ser doma­da. Há uma neces­si­dade inten­sa de se pos­suir, uma fome de vida e um anseio pela natureza. Ele sente-se deslo­ca­do em relação ao mun­do e à sociedade, encon­tran­do o mun­do como está “demasi­a­do à esquer­da”. No entan­to, anseia por ser bem-vin­do e exper­i­men­ta um des­per­tar da sex­u­al­i­dade e da con­sciên­cia cor­po­ral. Bus­ca rela­ciona­men­tos pro­fun­dos e amizades, sendo muitas vezes brin­cal­hão. Doenças físi­cas podem sur­gir dev­i­do ao sen­ti­men­to de aban­dono, e ele sente uma forte neces­si­dade de movi­men­to, dança e exer­cí­cio.


tradutor
error: Content is protected !!