• Lacerta agilis

    Lac­er­ta agilis — lagar­to

     

    Clin­i­ca:

    Pele, erupções na pele. Lín­gua, vesícu­las sob a lín­gua.

    Car­ac­terís­ti­cas:

    A lagar­tixa verde é geral­mente con­sid­er­a­da não venenosa; mas Baldel­li, que comeu uma lagar­tixa cor­ta­da em pequenos pedaços, desen­volveu alguns sin­tomas evi­dentes de indi­gestão, vesi­cação sob a lín­gua e erupções cutâneas; e uma rapari­ga, mor­di­da na plan­ta do pé esquer­do por uma “grande lagar­tixa verde mal­ha­da”, mor­reu dos efeitos da mord­e­du­ra após vinte e um dias de sofri­men­to. Este caso está reg­is­ta­do no Apêndice de Allen e provém de uma fonte amer­i­cana, pelo que é provavel­mente uma var­iedade amer­i­cana de Lac­er­ta a respon­sáv­el por este caso. Inchaço, dor, dor­mên­cia, delírio, com um esta­do alter­na­do de per­spicá­cia men­tal muito aumen­ta­da, par­al­isia do lado esquer­do, pescoço e max­i­lar do lado esquer­do rígi­dos e mús­cu­los sen­síveis. No esque­ma, os sin­tomas dev­i­dos à mord­e­du­ra do lagar­to amer­i­cano estão assi­nal­a­dos (A). Os sin­tomas da pro­va foram mel­ho­ra ao beber fre­quente­mente vina­gre e água. Movi­men­to = excru­ciante, dores no mem­bro mor­di­do. Toque agra­va.

    Mente:

    Delírio oca­sion­al. — Per­spicá­cia men­tal mar­avil­hosa­mente aumen­ta­da durante os inter­va­l­os de razão (A).

    Face:

    Mús­cu­los do lado esquer­do (mor­di­do) do pescoço e da mandíbu­la rígi­dos e sen­síveis ao toque (A).

    Boca:

    Grandes vesícu­las debaixo da lín­gua. — Acu­mu­lação con­stante de sali­va na boca.

    Gar­gan­ta:

    Mui­ta difi­cul­dade em engolir (A).

    Estô­ma­go:

    Náuse­as e uma sen­sação de peso e pressão no estô­ma­go.

    Abdó­men;

    Dores nos intesti­nos, mel­ho­ra com a ingestão fre­quente de vina­gre e água.

    Órgãos sex­u­ais fem­i­ni­nos:

    Lugares ulcer­a­dos nos órgãos gen­i­tais fem­i­ni­nos.

    Pul­so:

    O pul­so subiu oito bati­men­tos; depois desceu catorze bati­men­tos.

    Gen­er­al­i­dades:

    Dor­mên­cia; formigueiro; o inchaço alas­tra a par­tir do pé mor­di­do, com uma dor excru­ciante ao mais pequeno movi­men­to; os mús­cu­los do pescoço e do max­i­lar do lado esquer­do (mor­di­do) estão rígi­dos e sen­síveis ao toque, enquan­to o lado esquer­do está par­al­isa­do. Os mem­bros foram man­cha­dos pouco tem­po antes da morte, no vigési­mo primeiro dia (A). — Todos os sin­tomas desa­pare­ce­r­am na noite seguinte, após uma tran­spi­ração abun­dante.

    Pele:

    Erupções bran­cas húmi­das em várias partes do cor­po, espe­cial­mente no can­to inter­no do olho.


tradutor
error: Content is protected !!