• Pavo cristatus

    Pavo crista­tus (Pavão azul)

     

    Nív­el men­tal:

    Sep­a­rar algo em con­ceitos opos­tos ou incom­patíveis: visão maniqueís­ta de que a riqueza é inimi­ga da pobreza. Que divide o mun­do entre o bem (Deus) e o mal (Dia­bo).

    Há uma divisão entre o mate­r­i­al:

    Estar mais envolvi­do nos negó­cios, faz­er muitos planos, ansiedade sobre din­heiro, estatu­to e poder.

    E o espir­i­tu­al:

    “Eu quero ser uma pes­soa espir­i­tu­al e não me pre­ocu­par com coisas mate­ri­ais”, menos inter­es­sa­do em tare­fas domés­ti­cas.

    Dese­jo de estar na com­pan­hia de ami­gos e de mostrar emoção para eles.

    Sen­tem-se dis­tantes e desli­ga­dos das pes­soas como se hou­vesse um muro a impedir a comu­ni­cação e querem der­rubar o muro.

    Sente que os seus ami­gos não estão a coop­er­ar com ele e que é vul­neráv­el e que pre­cisa da aju­da de out­ros, mas que a aju­da dos seus ami­gos não está a chegar.

    O dese­jo de com­pan­hia é con­trari­a­do por uma neces­si­dade de estar soz­in­ho.

    Não quer falar ou estar com as pes­soas.

    Quer sen­tir-se soz­in­ho e fica irri­ta­do se as pes­soas se aprox­i­mam demasi­a­do.

    Estar soz­in­ho dá-lhe a sua liber­dade.

    Son­hos – de ani­mais sel­vagens e perigosos entram em casa.

    A sen­sação encon­tra­da de que todos são inimi­gos e que mes­mo as palavras inocentes expres­sam malí­cia — a mel­ho­ria deste sen­ti­men­to é por estar fora e por estar soz­in­ho.

    Medo de ratos e ratazanas.

    Sen­sação de quer­er aju­dar as pes­soas e de ser cari­dosos, acom­pan­hado por um sen­ti­men­to de repugnân­cia de que out­ros não estão a aju­dar e de pro­fun­da indig­nação per­ante a desigual­dade, a pobreza e os maus tratos infligi­dos às pes­soas ou aos ani­mais e ao ambi­ente.

    Há o sen­ti­men­to de viv­er num mun­do cor­rup­to e de não ser cor­rompi­do por ele.

     

    Nív­el físi­co:

    Sin­tomas nas suas plan­tas dos pés e numa pre­ocu­pação com os sap­atos. Son­hos de sap­atos e um dese­jo de andar descalço.

    Dor­mên­cia, par­al­isia, friagem e formigueiro nos mem­bros.

    Sen­sações de flu­tu­ação são fortes – cabeça e mem­bros.

    Comichão no couro cabe­lu­do e um medo de perder o cabe­lo.

    Ver­ti­gens rela­cionadas com o tema do alto e baixo, com agrava­men­tos por subir e des­cansar.

    Os olhos — ver­mel­hidão, dor, tremores, estre­las, ondas e ziguezagues per­ante os olhos e uma sen­sação de que está a ficar cega.

    A gar­gan­ta — dores agu­das de aderên­cia, como uma farpa muito fina e lon­ga, estran­ha sen­sação de um som de lati­do.

    Dese­jo por fru­ta e coisas fres­cas.

    Há uma sede e a quan­ti­dade de bebi­da não afec­ta a quan­ti­dade de uri­na expel­i­da.

    Sonolên­cia forte, espe­cial­mente à tarde.

     

    Modal­i­dades:

    Agrava­men­to por causa das gor­duras e dos ali­men­tos gor­durosos.

    Agrava­men­to ger­al par­tic­u­lar do álcool.


tradutor
error: Content is protected !!