• *Secale cornutum

    *Secale cor­nu­tum

    Clin­i­ca:

    Abor­to, ameaça­do. tra­bal­ho de par­to, dores pos­te­ri­ores. Albu­minúria. Ânus, incon­tinên­cia de. Ânus, aber­to. Astenopia. Bex­i­ga, par­al­isia de. Ferve. car­bún­cu­los. olho, catara­ta. catara­ta. Frieiras. Cólera. cólera, infan­til. Coréia. Con­vul­sões. Cóli­cas. Dia­betes. Diafrag­ma, cóli­cas. Diar­réia. Dis­torções. Disfa­gia. Epilep­sia. Epis­taxe. Pés, cãi­bras. Pés, queimação. Pés, frieza de. Fibro­ma. Gan­grena. Gas­trite. Glân­du­las, inchaço de. Glân­du­las, supu­ração de. bócio. Hematúria. Hemor­ra­gias. Diátese hemor­rág­i­ca. Coração, pal­pi­tação de. Soluço. His­te­ria. Impotên­cia. Fíga­do, aumen­to de. Lóquios, féti­da. Lum­ba­go. men­stru­ação, exces­si­va. Metror­ra­gia. Leite, suprim­i­do. Abor­to espon­tâ­neo. Doença de Mor­van. Mielite. Mielite difusa. Unhas, degen­er­ação de. Neu­ral­gia. suor, suores noturnos. Dor­mên­cia. Esofagite. ovário, tumores de. Par­al­isia. Par­al­isia pós-diftéri­ca. Par­al­isia espás­ti­ca. Pla­cen­ta reti­da. Hemor­ra­gias pós-par­to. Gravidez, fal­sas dores de. Púr­pu­ra, doença de Ray­naud. Varío­la, hemor­rág­i­ca. espin­hal, irri­tação. Gague­jan­do. Estô­ma­go, câncer de. câncer, estô­ma­go, de. Estra­bis­mo. Estri­to, espas­módi­co. Trom­bose. Lín­gua, mor­den­do. Tifóide. Úlceras. Útero, inér­cia de. Útero, neu­ral­gia de. Útero, pro­lap­so de.

    Car­ac­terís­ti­cas:

    O cen­teio e as gramíneas podem ser afe­ta­dos pela doença do ergot nas estações húmi­das e quan­do cul­ti­va­dos em ter­ras úmi­das e mal drenadas. Se as vacas repro­du­toras forem colo­cadas em pasta­gens onde crescem gramíneas infec­tadas, elas cor­rem o risco de deixar cair seus bez­er­ros. O ergot é con­heci­do como um acel­er­ador do par­to des­de tem­pos remo­tos. As suas out­ras acções foram, em grande parte, apren­di­das com as ter­ríveis epi­demias de “Ergo­tismo” que oca­sion­al­mente dev­as­taram dis­tri­tos onde o cen­teio infec­ta­do com a crav­agem do cen­teio foi trans­for­ma­do em far­in­ha e con­sum­i­do pela pop­u­lação. A morte ocorre em con­vul­sões; ou então de gan­grena e con­se­qüente exaustão; ou de hemor­ra­gias ou secreções exaus­ti­vas, como diar­réia. Muitos dos que escapam à morte ime­di­a­ta são reduzi­dos a um esta­do caquéti­co, do qual nun­ca recu­per­am; ficam par­al­isa­dos, têm mem­bros dis­tor­ci­dos e sen­ti­dos prej­u­di­ca­dos. Em ger­al, o sofre­dor man­tém um int­elec­to claro e um apetite bom, até mes­mo anor­mal­mente bom, até o fim. Os sin­tomas ner­vosos da Sec. são con­vul­sivos. O cor­po às vezes fica rígi­do; às vezes a rigidez alter­na com o relax­am­en­to. Isso é espe­cial­mente obser­va­do nas mãos, que estão cer­radas ou com os dedos bem afas­ta­dos (um sin­toma prin­ci­pal). Os mús­cu­los do ros­to e do abdô­men se con­traem.

    Há incon­tinên­cia ou retenção de uri­na. Náusea espas­módi­ca, o estô­ma­go fica vio­len­ta­mente con­traí­do. Através da mes­ma ação sobre os ner­vos vaso­mo­tores, ocorre primeiro a con­tração e depois a dilatação dos vasos san­guí­neos; os dedos ficam pre­tos azu­la­dos. Essa estag­nação leva à gan­grena seca das peças. Seg. mur­cha a pele, torna‑a seca e áspera; tez pál­i­da. É por­tan­to indi­ca­do para: mul­heres magras, esqueléti­cas, débeis e de aspec­to caquéti­co; mul­heres de tem­pera­men­to irritáv­el e ner­voso; de sem­blante páli­do e enco­v­a­do. Para pes­soas muito idosas e decrépi­tas. Por out­ro lado, tam­bém é ade­qua­do para: Sujeitos irritáveis ​​e pletóri­cos. Mul­heres com fibra mus­cu­lar muito frouxa; tudo parece solto e aber­to; nen­hu­ma ação, vasos flá­ci­dos: hemor­ra­gias pas­si­vas, fluxo abun­dante de sangue fino, pre­to e aqu­oso. Para a seg. Diminui o poder de coag­u­lação do sangue. e pro­duz uma diátese hemor­rág­i­ca; san­gra­men­to per­sis­tente e ofen­si­vo. Peque­nas feri­das san­gram per­sis­ten­te­mente. A púr­pu­ra se enquadra nes­ta cat­e­go­ria. Uma grande car­ac­terís­ti­ca da Sec., que deter­mi­nará sua seleção em muitos casos, é: “agre­ga­do. Pelo calor exter­no.” Isto se apli­ca à cólera, púr­pu­ra, gan­grena e qual­quer condição que pos­sa apre­sen­tar sin­tomas da Sec.

    Em casos de cólera que exigem o Sec. o paciente está com frio, quase sem pul­so; há con­trações espas­módi­cas dos mús­cu­los em várias partes (espe­cial­mente aber­tu­ra dos dedos), olhos fun­dos, feições con­traí­das; super­fí­cie áspera, enruga­da, seca, como se não hou­vesse mais umi­dade no cor­po. Emb­o­ra frio ao toque, não supor­ta ser cober­to. Ape­sar dessa frieza, o Sec. tem entre suas sen­sações car­ac­terís­ti­cas a queimação: queimação em todas as partes do cor­po como se faís­cas estivessem cain­do sobre o paciente. Out­ra sen­sação car­ac­terís­ti­ca é a dor­mên­cia; formi­gan­do como se formi­gas raste­jassem por toda parte, amel. de esfre­gar. Isso pode acom­pan­har hemor­ra­gias, per­da de out­ros flu­i­dos, debil­i­dade ou afecções da pele. Nos últi­mos está­gios do ergo­tismo há aneste­sia. As descar­gas são exaus­ti­vas e ofen­si­vas. A diar­reia é pecu­liar, invol­un­tária; com ânus bem aber­to.

    Os furún­cu­los em que o Sec. indi­ca­dos são pequenos e dolori­dos, com con­teú­do verde, amadure­cem muito lenta­mente, cica­trizam lenta­mente e enfraque­cem muito. Os olhos são afe­ta­dos de várias maneiras: Con­jun­tivite pus­tu­losa; supu­ração da córnea; pupi­las dilatadas, dis­torção e estra­bis­mo; ptose; reprim­iu as lágri­mas. O catar­ro foi cau­sa­do em muitos casos. “agra­va como calor” será a prin­ci­pal indi­cação em muitos casos ocu­lares que requerem Sec. O bócio exoftálmi­co foi cura­do com ele; o coração sendo aciona­do pela Sec. Como out­ras vísceras ocas, e pal­pi­tação vio­len­ta induzi­da. Seg. tem grande afinidade com o útero, seja ele gravídi­co ou não. Emb­o­ra seu uso em dos­es comuns na práti­ca obstétri­ca seja acom­pan­hado de peri­go, pode ser usa­do em suas indi­cações home­opáti­cas com per­fei­ta segu­rança. Está indi­ca­do: (1) Na ameaça de abor­to, espe­cial­mente no ter­ceiro mês; dores pro­lon­gadas, fortes e forçadas. (2) Durante o tra­bal­ho de par­to, quan­do as dores são irreg­u­lares, muito fra­cas, fra­cas ou ces­santes; tudo parece solto e aber­to, mas não há ação expul­si­va; des­maio. (3) Para dores pos­te­ri­ores, quan­do muito pro­lon­gadas, exces­si­vas; ou quan­do há con­tração do útero em ampul­heta. (4) Para supressão ou não aparec­i­men­to do leite. A men­stru­ação da Sec. são irreg­u­lares; copioso, escuro, flu­i­do; acom­pan­ha­da de dores abdom­i­nais semel­hantes às do par­to; talvez haja uma descar­ga aqu­osa con­tínua de sangue durante todo o tem­po entre os perío­dos.

    Teste reg­is­tra este caso: Uma sen­ho­ra, 50 anos, gor­da, de carne muito macia, teve inun­dações que nada con­seguia parar. Após várias ten­ta­ti­vas inúteis, Teste admin­istrou grandes dos­es de Sec. com quase nen­hum efeito. O paciente pediu dos­es infin­i­tes­i­mais. Naque­la época, Teste não tin­ha fé algu­ma em infin­i­tes­i­mais, mas cedeu ao pedi­do do paciente e deu uma gota do 6º. As inun­dações ces­saram ime­di­a­ta e per­ma­nen­te­mente. Sen­sações pecu­liares do segun­do. são: Como se estivesse intox­i­ca­do ao se despir. Como se os olhos girassem espas­modica­mente. A par­tir de um plug sóli­do no nar­iz. Como se a lín­gua estivesse par­al­isa­da. Como se hou­vesse algu­ma resistên­cia a ser super­a­da na fala. A par­tir de um grande peso no estô­ma­go. Região do estô­ma­go como se estivesse con­traí­da. Ânus como se estivesse tran­ca­do. Como se os testícu­los estivessem sendo pux­a­dos para o anel inguinal. Útero como se estivesse queima­do. Como se o con­teú­do do útero fos­se cair para frente. Como se o ar suave estivesse raste­jan­do pelas costas. Como se o sacro fos­se força­do a sair. Como se algo vivo raste­jasse sob a pele. Como se os dedos estivessem dor­mentes. Como se os mem­bros estivessem há muito tem­po em água quente. Como se faís­cas de fogo caíssem em difer­entes partes.

    Como se ratos raste­jassem sob a pele. Sen­sação de con­fusão nos mem­bros. Seg. está indi­ca­do em Supressões: lágri­mas; lóquios; leite; suor. Sede com boca seca ou queimação. Dese­ja limon­a­da e coisas azedas. Aves­so a gor­du­ra e carne. Os sin­tomas são: Agra­va pelo toque. Deita­do dobra­do na cama. Movi­men­to e qual­quer esforço adi­cional. Cam­in­har = ton­tu­ra. Muitos sin­tomas (cóli­cas, espas­mos) agra­va à noite. Afun­dan­do feitiços 3 da man­hã. Mel­ho­ra ao ar livre. Quer ser abana­do. Apli­cações quentes agravam. Bebidas quentes agravam. Lig­aduras húmi­das mel­ho­ram as dores de par­to. Apli­cações frias mel­ho­ram. Agra­va Depois de com­er. Todos os sin­tomas agravam pouco antes da men­stru­ação. O lado dire­ito é pre­dom­i­nan­te­mente afe­ta­do.

    Causa:

    Lev­an­ta­men­to (= abor­to). Lesão (= gan­grena). Exces­so sex­u­al.

    Mente:

    Desân­i­mo e timidez. — Grande ansiedade. — Tris­teza e melan­co­l­ia. — Grande angús­tia. — Furor, com von­tade de pular na água. — Lou­cu­ra e von­tade de morder. — Medo da morte. – Mania. — Fraque­za das fac­ul­dades int­elec­tu­ais (condição estúp­i­da, meio sono­len­ta; gemi­dos). — Alien­ação men­tal. — Delírio. — Per­da de con­sciên­cia. — A con­sciên­cia parece con­tin­uar até o últi­mo sus­piro; e pouco antes da morte parece que o paciente iria mel­ho­rar.

    Cabeça:

    Cabeça con­fusa e estu­pe­fa­ta (incon­sciên­cia com sono pesa­do, pre­ce­di­da de formiga­men­to na cabeça e nos mem­bros; em hemor­ra­gias uteri­nas). — Sen­sação de intox­i­cação ao se despir. — Ver­tigem como por intox­i­cação. — Estu­pe­fação, com formiga­men­to na cabeça e dores nos mem­bros, que pio­ram com o movi­men­to. – Diminuição e per­da dos sen­ti­dos, visão, audição, etc. — Sen­sação pecu­liar de lev­eza na cabeça, esp. no occip­i­tal. — Ataques de ver­tigem de diver­sos tipos, tam­bém crôni­cos. — Dor de cabeça com con­fusão sur­da e dolorosa, espe­cial­mente no occip­i­tal. — Cefaléia semi­lat­er­al (esquer­da). — O cabe­lo cai. – Dor no couro cabe­lu­do. — Torção da cabeça para frente e para trás.

    Olhos:

    Glo­bos ocu­lares afun­da­dos nas órbitas; e cer­ca­do por mar­gens azuis. — Pupi­las espas­modica­mente con­traí­das ou dilatadas. — Olhos con­vul­sion­a­dos. — Aper­tan­do os olhos. — Dor nos olhos, com sen­sação de rotação espas­módi­ca. — Aparên­cia fixa e sel­vagem. — Catara­ta, dura ou mole; com dor de cabeça, ver­tigem e zumbido nos ouvi­dos. — Supu­ração da córnea; agrava­men­to dev­i­do a apli­cações quentes. — Secreção suprim­i­da de lágri­mas. — Olhos amare­los. — Cegueira total. — Visão dupla ou tripla. — Névoa, man­chas e um véu diante da visão. – Fraque­za de visão. — Bril­hante diante dos olhos e tur­vação da visão. — Bócio exoftálmi­co.

    Ouvi­dos:

    Can­tarolan­do e rug­in­do nos ouvi­dos; e difi­cul­dade de audição. — Sen­si­bil­i­dade audi­ti­va inde­v­i­da, mes­mo o menor som ecoa­va na cabeça e a fazia estreme­cer. — Sur­dez tran­sitória.

    Nar­iz:

    Espir­ran­do. — O nar­iz parece para­do, mas escorre secreção aqu­osa. — Nar­iz para­do no lado esquer­do como se fos­se um tam­pão sóli­do. — San­gra­men­to nasal: sangue escuro, con­tín­uo, com grande pros­tração, pul­so pequeno e fil­i­forme; em idosos ou bêba­dos; em mul­heres jovens; da debil­i­dade.

    Face:

    Ros­to des­col­ori­do, páli­do, amare­lo, páli­do, com olhos fun­dos e rodea­d­os por um cír­cu­lo azul. — Recur­sos dis­tor­ci­dos. — Man­chas lívi­das no ros­to. — Ros­to de um ver­mel­ho pro­fun­do. – Inchaço da face. — Formiga­men­to no ros­to. — Tes­ta quente. — Con­trações mus­cu­lares, geral­mente começam na face e depois se espal­ham por todo o cor­po, às vezes aumen­tan­do para danças e pulos. — Lábios azu­la­dos ou mor­tal­mente páli­dos. — Lábios e boca dolorosa­mente con­traí­dos (dis­torção espas­módi­ca; ris­us sar­don­icus).

    Dentes:

    Mandíbu­la. — Ranger de dentes. — Afroux­a­m­en­to e que­da dos dentes. – San­gra­men­to nas gen­gi­vas. — Den­tição difí­cil.

    Boca:

    Hál­i­to muito ofen­si­vo. — Aumen­to da secreção de sali­va. — Boca seca, com sede. – Hemop­tise. — Espuma san­guínea ou verde amare­la­da antes da boca. — Lín­gua des­col­ori­da, cas­tan­ha ou pre­ta; ou então car­rega­do com uma cama­da espes­sa (de muco). — Formiga­men­to doloroso na lín­gua e na gar­gan­ta. – Inchaço da lín­gua. — Fala gague­jante, enver­gonha­da, indis­tin­ta e fra­ca; como se a lín­gua estivesse par­al­isa­da; ou havia resistên­cias a serem super­adas. – Con­tração da lín­gua. — Morde a lín­gua com fre­quên­cia.

    Gar­gan­ta:

    Secu­ra da gar­gan­ta. — Sen­sação de queimação ou formiga­men­to incô­mo­do ou raste­ja­men­to na gar­gan­ta. — Farin­gite folic­u­lar; apre­sen­ta pou­ca exsu­dação folic­u­lar. — Par­al­isia dos mús­cu­los da deg­lu­tição e da fala; em peri­go de asfix­ia. — Infla­mação do esôfa­go.

    Apetite:

    Opaci­dade do pal­adar. – Sede ardente e insaciáv­el. — Apetite anor­mal, mes­mo quan­do morre por descar­gas exaus­ti­vas dos intesti­nos. – Fome insaciáv­el, espe­cial­mente para coisas áci­das.

    Estô­ma­go:

    Ele­vações fre­quentes. — Nojo, espe­cial­mente de carne e coisas gor­durosas, e náuse­as. Náuse­as con­tínuas; agra­va depois de com­er. — Náuse­as e von­tade de vom­i­tar. — Soluços. – Vómi­tos. Vómi­tos de matéria bil­iosa e gros­seira. — Vómi­tos fáceis. — Vómi­tos de ali­men­tos, com grande debil­i­dade. — Vómi­tos de lum­bri­ci. — Vómi­tos de muco. — Vómi­to de bílis negra. — Vómi­tos de líqui­do cas­tan­ho-escuro, tipo bor­ra de café; de todos os ali­men­tos e bebidas. ‑Hemor­ra­gia do estô­ma­go. — Dor de estô­ma­go. — Cãi­bra no estô­ma­go. — Sen­si­bil­i­dade exces­si­va­mente dolorosa, opressão angus­tiante (como de um peso) e exces­si­va­mente dolorosa, opressão angus­tiante (como de um peso) e angús­tia na boca do estô­ma­go, com von­tade inefi­caz de vom­i­tar. — Sen­sação de queimadu­ra no epigástrio. — Grande ansiedade e pressão na boca do estô­ma­go, com grande sen­si­bil­i­dade ao toque. — Infla­mação e gan­grena do estô­ma­go. Infla­mação e câncer no estô­ma­go.

    Abdó­men:

    Abdô­men exces­si­va­mente infla­do e ten­so. — Dores cor­tantes e dilac­er­antes no abdô­men. — Infla­mação e gan­grena do fíga­do. — Fíga­do aumen­ta­do. — Queimação (ou frio) no abdô­men. — Dores fixas e ardentes nas regiões esplêni­ca e lom­bar. – Dores nos lom­bos como por fal­sas dores de par­to. — Cóli­ca, com dores no sacro e nas coxas, subidas fre­quentes e vômi­tos. — Cóli­ca dolorosa, com con­vul­sões. — Sen­sação de frio exces­si­vo no abdô­men e nas costas. — Sen­sação de queimação no abdô­men. — Forte pul­sação na região umbil­i­cal. – Bor­borig­mi. — Dores na região hipogástri­ca.

    Fezes e anús:

    Obsti­pação, com von­tade con­tínua e inefi­caz de evac­uar. — Evac­uações soltas e fre­quentes, com fezes serosas, vis­cosas ou des­col­ori­das ou acas­tan­hadas. — Diar­réia de cheiro pútri­do. — Diar­réia, com súbi­ta pros­tração de força. — Evac­uações invol­un­tárias (muito aqu­osas). — Diar­réia aqu­osa e ofen­si­va (no leito da cri­ança). — Cólera; diar­reia depois da cólera. — Diar­reia: cor­ri­men­tos cas­tan­hos fre­quentes, de cor escu­ra; muito ofen­si­vo; fino, verde oli­va; muito cansati­vo; per­ni­cioso. — Hemor­ra­gia intesti­nal. — Expul­são de ver­mes. — Par­al­isia do reto e ânus. – Ânus bem aber­to.

    Órgãos urinários:

    Secreção suprim­i­da de uri­na. — Uri­na escas­sa, quente e ardente. — Emis­são de uri­na, gota a gota, difí­cil, escas­sa, com von­tade con­tínua de uri­nar. — Uri­na bran­ca, clara como água. — Aumen­to da secreção de uri­na. — Uri­na reti­da. — Bex­i­ga par­al­isa­da. — Enurese: dos idosos; uri­na pál­i­da, aqu­osa ou com sangue. — Hematúria; uri­na com sangue e albu­minosa; sangue negro e espes­so. — Depósi­to urinário como quei­jo bran­co.

    Órgãos sex­u­ais mas­culi­nos:

    Numerosas ereções, mes­mo após o coito. — Após lev­eza no occip­i­tal, forte arras­ta­men­to do cordão esper­máti­co, de modo que os testícu­los pare­ci­am pux­a­dos para o anel inguinal. — Após pal­pi­tação exces­si­va sex­u­al do coração. — Memória fra­ca após coito exaus­ti­vo; impotên­cia. — Estenose espas­módi­ca crôni­ca da ure­tra.

    Órgãos sex­u­ais fem­i­ni­nos:

    Cata­me­nia muito pro­fusa e de lon­ga duração, às vezes com espas­mos vio­len­tos. — Metror­ra­gia de sangue pre­to e líqui­do, fluin­do esp. durante um leve movi­men­to, às vezes com formiga­men­to nas per­nas e grande debil­i­dade. — Descar­ga de sangue durante a gravidez. — O tra­bal­ho de par­to ces­sa e, em vez dis­so, surgem espas­mos e con­vul­sões. — Dores pos­te­ri­ores muito lon­gas e dolorosas. — Supressão do leite. — Abor­to espon­tâ­neo (espe­cial­mente no ter­ceiro mês). — Con­tração defeitu­osa do útero após abor­to. — Inchaço e ver­ru­gas no colo do útero, que está par­cial­mente aber­to. — Gan­grena da mucosa vagi­nal, de cor escu­ra e ardósia. — Vagi­na quente ou fria. — Con­gestão san­guínea no útero. — Cor­ri­men­to ofen­si­vo do útero cau­san­do vômi­to (Ussh­er). — Lóquios escas­sos e féti­dos, ou de duração muito lon­ga e sangüí­neos (segui­dos de febre e infla­mação do útero). — Con­vul­sões puer­perais. — [Órgãos gen­i­tais fem­i­ni­nos em ger­al; dores como dores de par­to, que são pro­lon­gadas por muito tem­po, pele fria e sem dese­jo de ser cober­to, etc.; ces­sação das dores do par­to; dores de par­to a fra­cas; abor­to nos pacientes car­ac­terís­ti­cos. Câncer e gan­grena do útero. — Pro­lap­so do útero.

    Órgáos res­pi­ratórios:

    Res­pi­ração pesa­da e ansiosa, com gemi­dos. — Cus­pir sangue, com ou sem tosse. — Voz débil, inaudív­el, gague­jante. — Expec­to­ração de sangue durante esforços vio­len­tos para res­pi­rar. — Voz rou­ca e oca. — Afo­nia indo­lor pela man­hã, com o pas­sar do dia, ele fica rouco. Res­pi­ração ansiosa e obstruí­da, com sus­piros e soluços.

    Peito:

    Disp­néia e opressão no peito. — Opressão sufo­cante no peito, com cãi­bra no diafrag­ma.

    Coração:

    Ter­nu­ra pré­cor­dial. — Sen­sação dolorosa no coração. — Ansiedade pré­cor­dial. — Pal­pi­tação espas­módi­ca vio­len­ta do coração. — Pul­so pequeno, muito rápi­do, con­traí­do; fre­quente­mente inter­mi­tente; trê­mu­lo, lento, deprim­i­do.

    Pescoço e costas:

    Rigidez da nuca. — Erupção mil­iar pro­fusa na nuca e no peito. — Sen­sação de frio nas costas. — Dor nas costas e região lom­bar. — Formiga­men­to e insen­si­bil­i­dade nas costas (esten­den­do-se até as pon­tas dos dedos das mãos e dos pés). — [Dor inten­sa na parte infe­ri­or das costas agrava­da ao cam­in­har muito ou ficar sen­ta­do por muito tem­po na mes­ma posição]. — (Lom­bal­gia).

    Mem­bros:

    Puxar, raste­jar, ras­gar e formi­gar nos mem­bros e artic­u­lações. — Dis­torção dos mem­bros. — Empurrões e movi­men­tos con­vul­sivos nos mem­bros, que se man­i­fes­tam espe­cial­mente. à noite, muitas vezes tam­bém peri­odica­mente, e que mel­ho­ram ao esticar vio­len­ta­mente as peças. — Con­tração das mãos, pés, dedos das mãos e dos pés. — Os mem­bros ficam frios, páli­dos e enruga­dos, como depois de muito tem­po em água quente. — Sen­sação desagradáv­el de sono e formiga­men­to nos mem­bros. — Cãi­bras nas per­nas, pan­tur­ril­has, braços, mãos e dedos dos pés. — Queimação de mãos e pés. — Sen­sação de con­fusão nos mem­bros. — Gan­grena fria dos mem­bros; a parte mor­ta se sep­a­ra nas jun­tas e cai. – Tremor de mem­bros. — Fraque­za, peso e tor­por dos mem­bros. – Dor­mên­cia, insen­si­bil­i­dade e frieza dos mem­bros, espe­cial­mente pon­tas dos dedos das mãos e dos pés.

    Mem­bros supe­ri­ores:

    Cur­vatu­ra espas­módi­ca do braço, com desen­ho na parte. — Sen­sação de queimação nas mãos. — Inchaço das mãos, com pús­tu­las pre­tas. — Ede­ma ede­matoso no pul­so. — Dis­torção das mãos. — Formiga­men­to, raste­ja­men­to, com dor­mên­cia e insen­si­bil­i­dade nas pon­tas dos dedos. — Con­tração, dis­torção e retro­ces­so dos dedos. — Espas­mos com os dedos afas­ta­dos. — Formiga­men­to pecu­liar nas pon­tas dos dedos muito sen­síveis ao frio, depois de algum tem­po começaram a supu­rar e, mais tarde, as unhas se sep­a­raram de sua matriz e caíram uma após a out­ra, deixan­do uma super­fí­cie gran­u­la­da doen­tia. — Degen­er­ação da pol­pa das unhas, as unhas ficam lev­an­tadas.

    Mem­bros infe­ri­ores:

    Las­sidão e dor nas per­nas. — Con­tração das per­nas e dedos dos pés. — Cãi­bras incô­modas nas pan­tur­ril­has e nas solas dos pés, esp. à noite. — Sen­sação de queimação nos pés (incha­dos). — Dis­torção dos pés. — Inchaço dos pés, com pús­tu­las pre­tas. — Os pés pare­cem dor­mentes e rígi­dos. — Mor­ti­fi­cação dos dedos dos pés. — Gan­grena senil. — Formiga­men­to nos dedos dos pés.

    Gen­er­al­i­dades:

    Prin­ci­pal­mente para recla­mações fem­i­ni­nas, e esp. quan­do ocorre em mul­heres ou cri­anças magras, esqueléti­cas e enrugadas. — A pele está fria, mas o paciente não dese­ja ser cober­to. — Vômi­to copioso de uma mis­tu­ra de matéria espes­sa, pre­ta, vis­cosa, bil­iosa e vis­cosa. — Gan­grena seca, prin­ci­pal­mente no lado dire­ito, começan­do nos dedos dos pés e subindo pelo mem­bro. — Amau­rose ocor­ren­do em pacientes car­ac­terís­ti­cos deste medica­men­to; audição difí­cil; cor azul ao redor dos olhos. — agra­va Da elab­o­ração de mem­bros; espe­cial­mente. em prob­le­mas de par­to. — mel­ho­ra De esticar os mem­bros. — Desen­ho, lacrime­ja­men­to e formiga­men­to nos mem­bros e artic­u­lações.

    Dores espas­módi­cas vio­len­tas e errantes. — Cãi­bras nas per­nas, braços e peito. — Sen­sação de queimação em todas as partes do cor­po, como se fos­se cau­sa­da por faís­cas. — Espas­mos tôni­cos; de todos os exten­sores. — Tétano. — Con­vul­sões epilep­ti­formes. — Atrofia ger­al e ema­grec­i­men­to. — Ema­ci­ação ráp­i­da de partes par­al­isadas. — Mar­cha instáv­el; insta­bil­i­dade de todo o cor­po; tremor; rápi­do afun­da­men­to de força. — Des­maio quan­do o paciente não con­segue supor­tar a cober­tu­ra. – Sín­cope. — Grande las­sidão e indolên­cia. — Par­al­isia. — Mor­ti­fi­cação com­ple­ta de algu­mas partes por esphacelus. — Afecções em ger­al do lado dire­ito; mem­bros tor­tos; sen­sação de morte em qual­quer parte. — Per­da de sen­si­bil­i­dade em todo o cor­po.

    Pele:

    Pele pál­i­da, cor de chum­bo, flá­ci­da e enruga­da. — Pele áspera e seca. — Tor­por e insen­si­bil­i­dade da pele. — Erupção mil­iar, esp. no peito e na nuca. – Petéquias. — Púr­pu­ra hemor­rág­i­ca. – Equimose. – Furún­cu­los. — Inchaço e dor sem infla­mação; frieza, cor azul, gan­grena. — Pús­tu­las pre­tas e gan­grenosas. — Escurec­i­men­to das partes exter­nas; raste­jan­do na pele como inse­tos. — Formiga­men­to sub­cutâ­neo. — Desca­mação ger­al da epi­derme. — Úlceras que ficam pre­tas; pele mur­cha e gan­grenosa. — Calor, com sede e fal­ta de tran­spi­ração. — Vesícu­las san­guíneas, que se trans­for­mam em gan­grena, nos mem­bros. — Antraz se tor­nan­do gan­grenoso.

    Sono:

    Forte incli­nação para dormir e coma. — Sono pro­fun­do e letár­gi­co. — Insô­nia, com agi­tação e calor seco. — Coma com delírio, sobres­salto e sus­to.

    Febre:

    Tremores vio­len­tos, segui­dos de vio­len­to calor ardente inter­no, com sede vio­len­ta. — Frieza exces­si­va nas costas, abdô­men e mem­bros. — Frieza da super­fí­cie do cor­po; espe­cial­mente. de extrem­i­dades e face; secu­ra. — Calor seco, com pul­so rápi­do, agi­tação e insô­nia. — Pul­so pequeno e suprim­i­do (geral­mente lento e con­traí­do, às vezes inter­mi­tente, ape­nas ligeira­mente acel­er­a­do durante o calor). — Pul­so inal­ter­ado, mes­mo com os ataques mais vio­len­tos. — Tran­spi­ração fria. – Suor frio e pega­joso por toda parte, esp. aci­ma da lin­ha da cin­tu­ra.


tradutor
error: Content is protected !!